• Equipe

Cinema Polonês - Uma breve história

A história do cinema na Polônia, a mais populosa nação ex-comunista da europa central, é quase tão longa quanto a história da cinematografia em si. Além disso, ela tem realizações universalmente reconhecidas, embora os filmes poloneses tendam a ser menos comercialmente disponíveis do que filmes de várias outras nações europeias. O primeiro cinema da Polônia (então ocupada pelo Império Russo) foi fundado em Łódź em 1899, vários anos após a invenção do Cinematógrafo. Inicialmente apelidado de “Living Pictures Theatre”, ganhou muita popularidade e, no final da década seguinte, havia cinemas em quase todas as grandes cidades da Polônia.

Łódź

Indiscutivelmente, o primeiro cineasta polonês foi Kazimierz Prószyński, que filmou vários documentários curtos em Varsóvia. Seu pleógrafo foi patenteado antes da invenção dos irmãos Lumière e ele é considerado o autor do mais antigo documentário polonês, intitulado “Ślizgawka w Łazienkach”, bem como os primeiros curtas narrativos “Powrót birbanta” e “Przygoda dorożkarza”, ambos criados em 1902. Outro pioneiro do cinema foi Bolesław Matuszewski, que se tornou um dos primeiros cineastas a trabalhar para a empresa Lumière - e o "cineasta oficial” dos czares russos em 1897.

Pleógrafo de Kazimierz Prószyński

O primeiro longa-metragem sobrevivente, o “Antoś pierwszy raz w Warszawie”, foi feito em 1908 por Antoni Fertner. A data de sua estreia, 22 de outubro de 1908, é considerada a data de fundação da indústria cinematográfica polonesa. Logo os artistas poloneses começaram a experimentar outros gêneros de cinema: em 1910, Władysław Starewicz fez um dos primeiros desenhos animados do mundo - e o primeiro a usar a técnica de stop motion, o “Piękna Lukanida”. No início da Primeira Guerra Mundial, o cinema na Polônia já estava a todo vapor, com inúmeras adaptações de grandes obras da literatura polonesa.

Durante a Primeira Guerra Mundial, o cinema polonês ultrapassou as fronteiras. Os filmes feitos em Varsóvia e Vilna eram frequentemente reformulados com legendas em alemão e exibidos em Berlim. Foi assim que a jovem atriz Pola Negri ganhou fama na Alemanha e acabou se tornando uma das superestrelas europeias do cinema mudo. Durante a Segunda Guerra Mundial, em 1943, cineastas poloneses na Grã-Bretanha criaram o filme colorido anti-nazista “Calling Mr. Smith” sobre os crimes nazistas na Europa ocupada e sobre as mentiras da propaganda nazista. Foi um dos primeiros filmes anti-nazistas da história, sendo um filme de vanguarda e documentário.

Pola Negri

Em novembro de 1945, o governo comunista fundou a organização de produção e distribuição de filmes Film Polski e colocou o conhecido cineasta do Exército do Povo Polonês Aleksander Ford no comando. Começando com alguns vagões cheios de equipamento cinematográfico retirado dos alemães, eles treinaram e construíram uma indústria cinematográfica polonesa. A produção do FP foi limitada; apenas treze filmes foram lançados entre 1947 e sua dissolução em 1952, concentrando-se no sofrimento polonês nas mãos dos nazistas. Em 1947, Ford mudou-se para ajudar a estabelecer a nova Escola Nacional de Cinema em Łódź, onde lecionou por 20 anos.

Aleksander Ford

A Escola Nacional de Cinema Leon Schiller é a principal academia polonesa para futuros atores, diretores, fotógrafos, operadores de câmera e equipe de televisão. Fundada em 8 de março de 1948 em Łódź, é a instituição de ensino superior mais destacada da cidade. A escola tem três ex-alunos vencedores do Oscar: Roman Polanski, Andrzej Wajda e Zbigniew Rybczyński, enquanto o ex-aluno Krzysztof Kieślowski foi indicado ao Oscar. Polanski e Wajda ganharam a Palma de Ouro no Festival de Cinema de Cannes em 2002 e 1981, respectivamente.

Roman Polanski nas escadas da escola em 1981

Em meados dos anos 1950, após o fim do stalinismo na Polônia, a produção de filmes foi organizada em grupos de filmes. Um grupo de cinema era uma coleção de cineastas, liderada por um diretor de cinema experiente e composta por escritores, diretores de cinema e gerentes de produção. Eles escreveriam roteiros, criariam orçamentos, solicitariam financiamento do Ministério da Cultura e produziriam o filme. Eles contratariam atores e equipe técnica, e usariam estúdios e laboratórios controlados pela Film Polski. A mudança no clima político deu origem ao movimento da Escola de Cinema Polonesa, um campo de treinamento para alguns dos ícones da cinematografia mundial, por exemplo, Roman Polanski e Krzysztof Zanussi.


Também é importante notar que durante a década de 1980, a República Popular da Polônia instituiu a lei marcial para derrotar e censurar todas as formas de oposição contra o regime comunista da nação, incluindo meios de comunicação como o cinema e o rádio. Um filme notável que surgiu durante esse período foi o filme “Przesluchanie”, de Ryszard Bugajski, de 1982. A natureza anticomunista do filme provocou sua proibição de mais de sete anos. Em 1989, a proibição foi revogada após a derrubada do governo comunista na Polônia, e o filme foi exibido nos cinemas pela primeira vez naquele ano. O filme ainda é elogiado hoje por sua audácia em retratar a crueldade do regime stalinista, já que muitos artistas temiam perseguição durante aquele tempo.

“Przesluchanie”, de Ryszard Bugajski, de 1982

Na década de 1990, Krzysztof Kieślowski ganhou reconhecimento universal com produções como “Dekalog”, “ La double vie de Véronique” e “Trois couleurs”. Outro dos filmes mais famosos da Polônia é “Dług”, de Krzysztof Krauze, que se tornou um blockbuster. O filme mostrou a realidade brutal do capitalismo polonês e o crescimento da pobreza. Um número considerável de diretores de cinema poloneses (por exemplo, Agnieszka Holland e Janusz Kamiński) trabalharam em estúdios americanos. Os filmes de animação polacos - como os de Jan Lenica e Zbigniew Rybczyński (Oscar, 1983) - inspiraram-se numa longa tradição e continuaram a inspirar-se nas artes gráficas da Polónia. Outros notáveis ​​diretores de cinema poloneses incluem: Tomasz Bagiński, Małgorzata Szumowska, Jan Jakub Kolski, Jerzy Kawalerowicz, Stanisław Bareja e Janusz Zaorski.

Krzysztof Kieślowski e Irene Jacob (Estrela de A Vida Dupla de Verônica e da Trilogia das Cores)

Em 2000, Andrzej Wajda recebeu um Oscar honorário por sua contribuição ao cinema. Os filmes de Wajda oferecem análises perspicazes do elemento universal da experiência polonesa e a luta para manter a dignidade nas circunstâncias mais difíceis. Seus filmes definiram várias gerações polonesas. Quatro de seus filmes foram nomeados para o prêmio de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar, com seis outros diretores poloneses recebendo uma indicação cada: Roman Polański, Jerzy Kawalerowicz, Jerzy Hoffman, Jerzy Antczak, Agnieszka Holland e Jan Komasa. Em 2015, o cineasta polonês Paweł Pawlikowski recebeu este prêmio por seu filme “Ida”. Em 2019, ele também foi indicado ao prêmio por seu próximo filme, “Zimna wojna”, em duas categorias - Melhor Filme Estrangeiro e Melhor Diretor.

Andrzej Wajda

Entre os festivais de cinema anuais proeminentes que acontecem na Polônia estão: Festival Internacional de Cinema de Varsóvia, Camerimage, Festival Internacional de Cinema Independente Off Camera, Festival de Cinema New Horizons, bem como Festival de Cinema de Gdynia e os Prêmios do Cinema Polonês.

 

10 Filmes para conhecer o Cinema Polonês


Kanał - Andrzej Wajda (1957)

O Armia Krajowa, o Exército de livre resistência polonesa, está passando por momentos de apreensão. Para escapar de um iminente ataque nazista, eles planejam fugir através dos canais subterrâneos de Varsóvia. Foi selecionado como representante da Polônia à edição do Oscar 1957, organizada pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.


Matka Joanna od Aniołów - Jerzy Kawalerowicz (1961)

O filme se passa no século 17, quando a madre superiora é possuída por um espírito do mal. Quando um padre forasteiro chega para tentar resolver o caso, descobre que as outras freiras também estão sob possessão demoníaca. Este clássico do cinema europeu, venceu o Prêmio de Júri no Festival de Cannes de 1961.


Sanatorium pod klepsydrą - Wojciech Jerzy Has (1973)

Józef, viaja de comboio até ao sanatório onde o seu pai está internado, na Polônia antes da II Guerra Mundial. Ao chegar, sente estar num mundo diferente, onde o tempo pode voltar para trás. Józef é assim levado numa viagem interior, onde memórias e fantasias se misturam.


Constans - Krzysztof Zanussi (1980)

Um jovem é confrontado com colegas corruptos e vingativos no trabalho e funcionários negligentes no hospital onde sua mãe está morrendo. Enquanto busca um código moral sólido pelo qual viver, ele sofre por conhecer a fragilidade humana e nossas inclinações mais obscuras para fazer o mal.


Człowiek z żelaza - Andrzej Wajda (1981)

Varsóvia, 1980. O Partido Comunista envia Winkel, um repórter alcoólatra, a Gdansk para investigar as greves dos trabalhadores portuários. Um dos principais líderes do movimento é o jovem Maciej Tomczyk, cujo pai foi morto durante os protestos de 1970. Infiltrado, Winkel consegue entrevistar os que estão ao redor de Tomczyk, incluindo sua companheira, Agnieszka . O jornalista acaba se deparando com uma realidade diferente da que imaginava, o que muda completamente sua visão do regime comunista e do próprio Tomczyk.


Dreszcze - Wojciech Marczewski (1981)

No início dos anos 50, quando Stalin era cultuado, a história começa numa pequena cidade onde o pai de Tomek é preso, deixando a esposa sozinha com a tarefa de criar dois filhos pequenos. Foi inscrito no 32º Festival Internacional de Cinema de Berlim, onde ganhou o Urso de Prata - Prêmio Especial do Júri. Na época de seu lançamento, foi proibido pelo governo comunista polonês


Dekalog - Krzysztof Kieślowski (1988)

Uma série cinematográfica que consiste em dez filmes de aproximadamente uma hora de duração, cada um representando um dos Dez Mandamentos, explorando possíveis significados dos mandamentos, considerados freqüentemente ambíguos e contraditórios, inserindo-os numa história ficcional ocorrida na Polônia moderna. É o trabalho mais conhecido e aclamado de Kieślowski, tendo recebido diversos prêmios internacionais.


Podwójne życie Weroniki - Krzysztof Kieślowski (1991)

Duas mulheres de 20 anos moram muito longe, mas parecem estranhamente estarem conectadas. Weronika é polonesa e sonha em entrar para uma academia de música, e quando ela finalmente consegue a vaga, ela morre na sua primeira apresentação. A partir desse momento, Véronique, que é francesa e mora em Paris, decide largar as aulas de música e acaba por se envolver com um manejador de marionetes.


Ida - Paweł Pawlikowski (2013)

Polônia, 1962, Anna é uma órfã criada por freiras. Sua mestre lhe conta que, antes de completar seus votos, ela deve encontrar sua família, então ela vai visitar Wanda, sua única parente viva, antes que esta venha a falecer. Wanda diz a Anna que ela é judia, então as duas mulheres iniciam uma viagem, não só para encontrar a sua trágica história de família, mas para saber quem elas realmente são e onde pertencem. Ida ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro de 2015, tornando-se o primeiro filme polonês a fazê-lo.


Boże Ciało - Jan Komasa (2019)

Daniel experimenta uma transformação espiritual durante o tempo em que passa em um centro de detenção para jovens. Ele quer se tornar padre, mas isso é impossível por causa de sua ficha criminal. Ao ser enviado para trabalhar na oficina de um carpinteiro em uma pequena cidade, ele se veste de padre e acidentalmente assume a paróquia local. Foi selecionado como representante polonês para o Melhor Filme Internacional no 92º Oscar, conseguindo uma indicação no prêmio.


Escrito por Gabriel Pinheiro


0 comentário

Posts recentes

Ver tudo