• Equipe

10 Filmes para comemorar o Dia da Visibilidade Trans

Em 29 de janeiro comemora-se no Brasil o Dia da Visibilidade Trans. A ideia surgiu em 2004, quando um grupo de ativistas trans participou, no Congresso Nacional, do lançamento da primeira campanha contra a transfobia.

A ação foi promovida pelo Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, com o objetivo de ressaltar a importância da diversidade e respeito para o movimento trans, representado por travestis e transexuais. A data passou, então, a representar a luta cotidiana das pessoas trans – especialmente as que se encontram em situação de vulnerabilidade – pela garantia de direitos e pelo reconhecimento da sua identidade.


Foi o primeiro ato nacional organizado por pessoas trans e isso repercutiu muito, de maneira que não só a data é lembrada e celebrada, como diversas manifestações e passeatas aconteceram ano após ano para reafirmar a importância da vida dessas pessoas.


No cinema, presença de homens em papéis femininos não é novidade. Vimos Jaye Davidson como Dil em “Traídos pelo Desejo“, Jared Leto como Rayon em “Clube de Compras Dallas“, Eddie Redmayne como Lili em “A Garota Dinamarquesa” e Toni Cantó como Lola em “Tudo Sobre Minha Mãe”. Todos foram inesquecíveis em seus trabalhos, reverenciados e até premiados. Bons intérpretes, é verdade. Porém, nenhum deles é transexual, e sim homens cisgêneros, brancos e, até onde sabemos, héteros.


Pensando em dar espaço aos protagonistas trans no cinema, que foram interpretados por pessoas trans, o Querido Cinéfilo elaborou essa lista em homenagem ao Dia da Visibilidade Trans:


 

Valentina (2020)

Valentina, uma menina trans de 17 anos de idade, muda-se para uma pequena cidade mineira com sua mãe, Márcia. Com receio de ser intimidada na nova escola, a garota busca mais privacidade e tenta se matricular com seu novo nome. No entanto, a menina e a mãe começam a enfrentar dilemas quando a escola pública local começa a exigir, de forma injusta, a assinatura do pai ausente para realizar a matrícula.


Alice Júnior (2019)

Alice Júnior é uma youtuber trans cercada de liberdades e mimos. Depois de se mudar com o pai para uma pequena cidade onde a escola parece ter parado no tempo, a jovem precisa sobreviver ao ensino médio e ao preconceito para conquistar seu maior desejo: dar o primeiro beijo.


A Morte e a Vida de Marsha P. Johnson (2017)

Autodenominada "rainha da rua", Marsha P. Johnson, lendária peça no gueto gay de Nova York que, juntamente com a Sylvia Rivera fundaram a Transvestites Action Revolutionaries (STAR), um grupo de ativistas trans fundado no coração de Greenwich Village, em Nova York. O documentário comemora o legado político duradouro de Marsha P. Johnson, e procura finalmente resolver o mistério de sua morte inexplicável.


Man Made (2018)

De adoção e falta de moradia à relacionamentos de navegação e superação de automutilação, os quatro homens trans em MAN MADE têm algo mais em comum: eles são todos fisiculturistas. Pelas lentes da FTMFitCon, a única competição de fisiculturismo FTM do mundo, investigamos as vidas de Dominic, Rese, Mason e Kennie enquanto eles definem o que significa ser um homem enquanto contextualizam essa definição por meio das realidades sociais, raciais e econômicas de suas vidas. Para os homens do MAN MADE, não se trata de vencer, mas de subir no palco e ser visto por tudo o que são.


Uma Mulher Fantástica (2017)

Marina é uma mulher trans. Quando seu parceiro morre, ela se vê diante da raiva e do preconceito da família dele. Ela luta por seu direito de sofrer - com a mesma energia ininterrupta que ela exibiu quando lutou para viver como uma mulher.


Funeral Das Rosas (1969)

O filme relata a história de Eddie, uma mulher trans excepcionalmente bonita e uma das melhores hostess em um dos mais famosos clubes noturnos do Japão. Eddie tem um amor obsessivo pelo proprietário do clube, que já está envolvido com a "madame" do clube.


Paris is Burning (1990)

Este premiado e antológico documentário explora a cena dos Ballrooms de New York na segunda metade dos anos 1980. Criada pela população LGBT de origem afro-latina, essa subcultura é explorada em todos os seus aspectos e reflexões, tendo como foco alguns personagens marcantes de uma cena que ainda vive, desde o final dos anos 1950 até o nosso tempo. Esse filme é considerado um marco na visibilidade da população LGBT nos EUA, sendo pioneiro em mostrar a realidade crua misturada à cultura vibrante e criativa da cena dos Balls de New York. Por isso, ele é tomado por boa parte dos LGBT estadunidenses como um guia fundamental de auto-consciência histórica e cultural.


Tangerina (2015)

Após descobrir que foi traída por seu namorado e cafetão enquanto estava na prisão, uma prostituta e sua melhor amiga saem em busca do traidor e sua nova amante para se vingar. Sin-Dee e Alexandra andam pelas ruas de Los Angeles suportando várias desventuras na véspera de natal.


Lembro Mais dos Corvos (2018)

Durante uma crise de insônia, uma mulher trans conta sua história de vida da infância até o presente, narrando sua saga de aceitação e resistência.


Revelação (2020)

Um documentário sobre a representatividade transgênero nas telas e sua relação com as atitudes em relação a pessoas trans no mundo real. Os depoimentos revelam a "oposição entre esperança e medo" que existe na comunidade transgênero, que ainda é afetada por muita violência, hoje em dia.


Organizado por Gabriel Pinheiro

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo