• Equipe

Crítica: Sorte Cega - Krzysztof Kieślowski (1981)

Enfrentando um futuro incerto, um jovem polonês estudante de medicina, decide interromper seus estudos e pegar um trem para Varsóvia. Três possibilidades podem ocorrer na vida de um rapaz que pegará o trem: filiar-se ao partido comunista, viver como dissidente marginal ou tornar-se um médico desinteressado por política. (Fonte)

No primeiro momento fiquei confuso com a relação entre a câmera subjetiva e a Câmera objetiva do filme depois de um tempo essa confusão toda ela é retomada e justificada em forma de rima visual e rima narrativa então as coisas começam a fazer mais sentido.


A primeira parte se ela sofre um pouco por causa da temática. Fala muito do cenário político polonês e isso às vezes é uma temática muito hermética e traz um dificuldade do espectador de se engajar emocionalmente na trama.


Depois de um tempo o filme começa a tomar ritmo aí fica algo muito mais fluido. Eu percebi por exemplo que o diretor ele tem alguma influência do Jean luc-godard porque ele faz referência algumas vezes à cenas de Acossado.

No final toda essa premissa de linhas alternativas acaba funcionando só que não há muito um equilíbrio entre elas porque a primeira é muito explorada e como já foi dito anteriormente ela é uma temática muito hermética e às vezes você não consegue se envolver direito. Já as outras duas que são um pouco mais interessantes elas são deixadas muito para o final o que dá um certo gostinho de querer ver mais e algo muito mais denvolvido dessas duas outras linhas temporais alternativas.


Eu não sei se é uma mania do Krzysztof Kieślowski ou se sou eu que tô procurando por isso mas eu encontrei nesse filme, assim como encontrei em Camera Buff, claramente uma analogia e uma representação da filosofia existencialista de Jean Paul Sartre. Aqui aqui a relação de causalidade entre as linhas temporais e o fato do cara pegar ou não o trem podem ser um exemplo do que Sartre dizia de que a existência precede a essência, portanto todo seu caráter, todas as suas características e a sua essência ela é construída após o seu nascimento e não antes do seu nascimento como defendem algumas religiões.


No final não é um filme perfeito e nem espetacular, é um bom filme que sofre alguns problemas de ritmo. Eu como estou começando à assistir cronologicamente a filmografia do diretor fico bem entusiasmado com os próximos passos. O estilo do diretor me agrada muito e a premissa dos seus filmes se encaixa em um lugar quentinho do meu gosto pessoal. Essa foi uma resenha rápida que foi feita inicialmente como comentário para o Letterboxd e que ficou um pouco maior do que o esperado.


Escrito por Gabriel Pinheiro

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo